Tax Free, nunca mais embarco nessa canoa furada!!!

Hoje, o blog participa da Blogagem Coletiva #deuruim, onde vários blogueiros contam as suas desventuras em suas andanças pelo Mundo. Como todo mundo tem perrengue em viagens e eu também, conto aqui uma das minhas experiências que pretendo nunca mais repetir. Aproveitem as dicas, o pessoal sabe do que está falando.

A primeira vez que viajei para fora do país já fiquei sabendo de um tal de Tax Free; você faz suas comprinhas, preenche uns documentos e ulalá, recebe parte do dinheiro gasto de volta.

“Que marrrravilha”, já diria nosso querido chef francês Claude Troisgros, natural do país onde aconteceu a minha primeira decepção com o sistema Tax Free.

Foi em Paris, mais precisamente no Aeroporto Charles de Gaulle, que fiz a minha primeira tentativa de receber de volta os 12% dos impostos pagos em minha compras, conhecido como Détaxe na França.

detaxe-tax-refund-paris

Détaxe Paris, Fonte Google Imagens

O enfrentamento da burocracia já começa nas lojas, logo após o pagamento no caixa, aí a vendedora que te atendeu vai procurar onde estão os formulários e envelopes para serem preenchidos, parece que não é uma coisa habitual e rotineira, sei lá.

Todo mundo já sabe que em aeroportos internacionais as filas são enormes só para fazer o check in para o embarque, mas até aí tudo bem, porque faz parte da viagem, além de pesar as malas, distribuir os pertences com os companheiros para equilibrar os pesos, apresentar passaportes, passagens, etc.

Só que, antes do check in, você deve passar também pela fila da alfândega para entregar os documentos do Tax Free aos fiscais e pode ser que eles te peçam até para apresentar os produtos adquiridos.

Tax Free

Símbolo do Tax Free, Fonte Google Imagens

Em Paris, uma funcionária respondia às dúvidas de todos que estavam na fila ao mesmo tempo, todo mundo com pressa e ela sozinha e irritada tentando dar conta do recado. Comigo não foi diferente, me respondeu rispidamente e quando fui atendida no guichê não havia dinheiro em espécie e eu só receberia pelo cartão de crédito.

Me dirigi à caixa de correios do aeroporto, inseri o envelope preenchido conforme fui orientada e até hoje estou aguardando pelo meu detaxe e já fazem sete longos anos. Nem meus companheiros de viagem receberam também.

Minha segunda experiência foi em Paris também, mesmo aeroporto, mesma burocracia e mesmo resultado, a história se repetiu, nada de ver meu dinheirinho retornar.

Só uma coisa valeu nesta vez, enquanto eu aguardava na fila eu vi um artista famoso, Jean Reno, passando por mim e subindo a escada rolante com uma maleta metálica linda. Ele fez parte do elenco do filme O Código da Vinci, filmado em Paris.

Jean Reno

Jean Reno, Fonte Google Imagens

Sempre vejo pessoas famosas em aeroportos, já vi a Ana Maria Braga com um cachorrinho cor de rosa, o Evandro Mesquita (por duas vezes), O Victor Belfort com a Joana Prado (a ex feiticeira), um time inteiro de vôlei com atletas conhecidas, o ator Fábio Lago (o Oziel da novela A Regra do Jogo), o Oscar Filho (antigo apresentador do CQC), a veterana atriz Laura Cardoso, o cantor Agnaldo Timóteo, o ator José Wilker e por aí vai. Enquanto fico nas filas, os famosos circulam, mas este é outro assunto, rsrs.

Já a minha terceira e última vez (eu garanto) de Tax Free, foi em Lisboa, Jesus toma conta, ninguém merece.

Procuramos por uma agência de atendimento de Tax Free no Shopping Colombo e ficamos aguardando outras pessoas serem atendidas (demorou), quando chegou nossa vez, com muito custo consegui receber o imposto de uma compra, tipo uns 15 euros.

Quando o funcionário foi processar o segundo documento, o sistema simplesmente saiu do ar e não voltava por nada desse mundo. O nosso atendente, impaciente e mal educado, saiu até para almoçar e nos deixou esperando, aí desistimos.

Shopping Colombo, Lisboa

Shopping Colombo, Lisboa

Shopping Colombo, Lisboa

Interior do Shopping Colombo, Lisboa

Shopping Colombo, Lisboa

Shopping Colombo, Lisboa, valeu para conhecer.

No aeroporto procuramos pela alfândega e deparamos com uma fila enorme, nem tentamos, porque não daria tempo de pegar nosso vôo. Conclusão, o valor que eu havia recebido acabou sendo descontado do meu cartão de crédito com 15% de multa por não ter entregue o documento na alfândega. Afff!!!

Não é atoa que já existe aquele ditado: “Um é pouco, dois é bom, três é demais!. A quarta vez não me pega, porque realmente não vale a pena. Mesmo que você consiga receber o valor do imposto de volta, acho que não compensa a burocracia e ficar em filas, já que o seu tempo está correndo em moeda estrangeira, geralmente em dólares e euros.

Não seria melhor deixar de receber o Tax Free (se conseguisse) e aproveitar seu tempo curtindo mais a cidade e as atrações que pretende visitar? Eu acho!!!

Bom, essa é a minha história na Blogagem Coletiva #deuruim. Quer saber a dos outros blogueiros? Tem muita coisa engraçada, vale a pena dar uma olhada para se divertir muito, afinal, quem não teve um perrengue em alguma viagem?

Casal CalifórniaPerrengues de Viagem: muitas histórias para contar

Vida de EstrangeiraPerrengue na Turquia

Ligado em ViagemNosso de “Kit Viagem” para evitar perrengues

Foco no MundoOs piores perrengues das minhas viagens

Felipe, o pequeno viajanteColetânea de perrengues do pequeno viajante

Atravessar FronteirasPerrengue total na união entre cinzas vulcânicas e Aerolineas Argentinas

DespachadasColetânea de Perrengues de viagem Despachadas

Passeiorama Perrengando por aí: nossos perrengues viajando em família

Família ViagemNossos perrengues de viagem

Mochilão Barato Fiquei doente no exterior! E agora? Os dias que fiquei de cama no Chile.

Por aí com os PiresPerrengues de viagem – Blogagem coletiva<

Novo CaroneiroDeu ruim! Blogagem coletiva de perrengues de viagens

Colecionando Ímãs Viajando com a Ethiopian Airlines: perrengue a caminho do Japão!

Volto LogoSobre a importância de reservar hospedagem e pesquisar os feriados do seu destino

Turista FulltimeVoo cancelado e os oito passos para driblar o perrengue

Apure Guria! – Perrengues na Ásia: deu ruim!

Viajei BonitoNossos 15 dias de desventuras na Rússia

VoupraRomaGrécia sem inglês! Tá falando grego?

Gisele Prosdocimi

Gisele Prosdocimi

Amo viagens, fotografia e gastronomia, posto tudo aqui no blog com o objetivo de informar, registrar e compartilhar lugares e momentos maravilhosos com as pessoas que também curtem estes hobbies.
Gisele Prosdocimi

Últimos posts por Gisele Prosdocimi (exibir todos)

38 comentários sobre “Tax Free, nunca mais embarco nessa canoa furada!!!

  1. Stephanie

    Ei Gi! Menina, que trabalheira!!! Eu também tentei uma vez receber o tax free em Paris e não consegui; na época eu estava fazendo meu intercâmbio e eles disseram que eu não podia receber (mesmo estando voltando pro Brasil) porque eu era considerada moradora. Tudo bem, eu entendo. A minha mãe estava comigo e conseguiu as taxas de volta das coisas que ela comprou (se eu soubesse tinha passado minhas notas pra ela antes…hahaha). O cara pagou em dinheiro e aproveitamos a graninha extra pra fazer mais umas comprinhas no free shop. Mas, realmente, é uma trabalheira viu! Beijosss

  2. Pingback: Viajando com a Ethiopian Airlines: perrengue a caminho do Japão! - Colecionando Ímãs

  3. Lilian

    Oi, Gisele
    Bom saber que é assim,eu nunca me interessei porque meu filho falou que teria que gastar acima de um certo valor em lojas que tem esse tax free para depois ser reembolsada e como eu nunca compro nada caro nem fui ver como isso funciona.

  4. Ana Zacchello

    Olha, ninguém pode dizer que você não tentou! Eu e meu marido fugimos de tudo quanto é burocracia, por isso acho que tentamos só uma vez, mas como a fila estava grande, desistimos. Eu nem sabia de todos esse problemas e de nem receber depois de ter feito tudo o que pediram.
    Concordo com você, é melhor aproveitar passear pelas cidades! 🙂

  5. Marianne

    Caramba que carma hahaha Eu sempre faço e sempre consigo meu refund!! Só tive problema uma vez no aeroporto de Budapeste, pq a guardinha da cabine do tax free ficou P.. da vida pq acordei ela as 3h da manhã! Não tinha culpa se meu vôo era as 5h. hahaha Ela fez de tudo pra dificultar, pediu para eu mostrar todas as compras para comprovar, mas no fim consegui!

  6. Edson

    Eita, acho que usei o Tax Free apenas uma vez. Não foi com o pagamento em espécie, mas tenho quase certeza que recebi no cartão de crédito.

    Mas é o que você disse, três já é demais… rs

  7. Pingback: Perrengue na Turquia | Vida de Estrangeira

  8. LUIS FELIPE AFONSO

    Oi, Giseli! A primeira vez que vi isso, me informei na loja e haviam tantos passos a seguir que no meio da explicação já desisti!! heheh Nunca entraria numa dessas… prefiro pagar um pouco mais e ficar tranquilo e sossegado, tá loco!!

  9. Pingback: Nossos perrengues de viagem | Família Viagem

  10. Débora Resende

    Nossa, realmente é muito trabalho para pouco esforço. Também acho que não vale a pena. Eu já tinha ouvido falar do Tax Free, mas nunca pesquisei mais a fundo. Bom que agora já sei que nem preciso perder meu tempo, rs.
    Eu sempre procuro famosos nos aeroportos, mas nunca acho! hahaha só uma vez que fui pra Europa no mesmo voo da seleção feminina de vôlei.
    http://www.foconomundo.com.br

  11. Simone Hara

    Minha história com a devolução do tal Tax Free: Cheguei no aeroporto de Paris….olhei a filona imensa e UM atendente e … tchau, obrigada! Nem tentei…
    E mesmo assim deu dor de cabeça pq foi bem isso que vc falou.. a cada loja era um PARTO conseguir os tais papeis… nenhum vendedor sabia o que fazer, quando sabia fazia de má vontade e numa lerdeeeeza sem fim… lá pela quarta loja desisti de vez… Nem peguei mais papel nenhum…
    Fim de caso, nem os quatro que peguei consegui reembolso por causa do caos no aero…
    Parece até que fazem de propósito pra gente desistir mesmo!
    Curti o post! Concordo com vc.. tx-free pra mim nunca mais!

  12. Pingback: Qual foi seu maior perrengue numa viagem? | Catraca Livre

  13. Ana Venticinque

    Nossa eles fazem mesmo de propósito assim a maioria desiste de pegar o Tax Free. Aqui em Roma você pode optar por receber o dinheiro ainda na cidade e já gastar… mas tem que passar da mesma forma na burocracia da alfandega e depositar os papéis.

  14. Rozembergue

    Oi Gisele!
    Já tinha tentado em Londres e não consegui pois já havia despachado a bagagem e o agente pediu para ver os produtos. Fui entregar os formulários hoje em Frankfurt e a falta de educação da atendente me fez rasgar os formulários na frente dela kkkkk. Menos mal que eram só 13 euros. Acho que ela estava estressada com uma turma de japoneses que tinham acabado de passar por lá e veio descontar em mim. Mas teve que ouvir um “sorry, you need to be more polite”. De toda forma acho que se for um valor alto de reembolso vale a pena a dor de cabeça. Caso contrário não vale mesmo.
    Lembrei do seu post na hora!
    Beijo!

  15. Antonio Marcos

    Bem, de qualquer forma, vale tentar, principalmente pra quem vai com grana baixa, como eu. Em Lisboa, no aeroporto Portela, recebi normalmente o reembolso, com credito no cartão internacional, pois se fosse receber em especie, seria um reembolso por formulário e tinha uma taxa a ser paga pra cada papel daí não valeria a pena.
    Confesso que não cria que receberia, contudo na próxima fatura lá estava o meu dinheiro de volta.

    Obrigado pelas dicas.

    1. Gisele Prosdocimi Autor da Postagem

      Que bom que a sua experiência foi positiva, Antônio Marcos. Acho que vale a pena tentar receber sim, mas quando os valores realmente compensam a perda de tempo na fila e a raiva que você está sujeito a passar. Obrigada por compartilhar conosco a sua experiência e pela visita. Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *